quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Documentário mostra envolvimento da Igreja Católica com tráfico de bebês na Espanha

Documentário mostra envolvimento da Igreja Católica com tráfico de bebês na EspanhaUm documentário que será exibido pela rede britânica BBC mostrará o envolvimento da Igreja Católica em uma história de tráfico de bebês na Espanha, que começou durante a ditadura do General Franco nos anos 60 até o início dos anos 90. Segundo o documentário “This World: babies stolen from Spain (Este Mundo: bebês roubados da Espanha), as crianças eram traficadas por uma rede secreta que envolvia médicos, enfermeiros, padres e freiras.


Agora, um movimento que reúne centenas de famílias luta para que o governo faça uma investigação sobre o caso. Na época, mães jovens e muitas vezes solteiras eram informadas que seus bebês haviam morrido durante o parto, e eram impedidas de assistir ao enterro. Hoje, após levantamentos iniciais, sabe-se que os bebês eram vendidos a famílias que não podiam ter filhos, mas tinham condição financeira melhor, e aos olhos da Igreja Católica, seriam uma família melhor para essas crianças.


“Essa situação é incrivelmente triste para milhares de pessoas. Agora há homens e mulheres em toda a Espanha, cujas vidas foram viradas de cabeça para baixo, pois descobriram que os seus pais as compraram. Sem falar nas mães que estão descobrindo que seus filhos estão vivos e foram criados por outra pessoa durante todo esse tempo”, afirmou a repórter Katya Adler, que produziu o documentário.


A rede de tráfico funcionava com documentos oficiais que eram feitos para encobrir a origem dos bebês, e nesses documentos, constavam os nomes dos pais adotivos, como sendo pais biológicos.Há porém a possibilidade de pais que receberam crianças para adoção sem saber que elas haviam sido roubadas.


Alguns pesquisadores acreditam que o número de casos alcance um total de 15% das adoções que aconteceram entre 1960 e 1990. Durante o regime militar do General Franco, a Igreja Católica possuía grande influência nos serviços sociais, incluindo maternidades e orfanatos. Somente em 1987, anos após a queda da ditadura, o governo espanhol passou a ter registros sobre os processos de adoção no país.


Graças a um pai adotivo que antes de morrer, confessou a seu filho que o tinha comprado quando ele ainda era bebê de um Padre da região de Zaragoza, no norte da Espanha, o caso veio à tona. O pai de Juan Luis Moreno, contou também ao filho que tinha sido acompanhado por outro casal que também ia comprar um bebê do Padre. Essa segunda família criou o bebê que recebeu o nome de Antonio Barroso.


Na época, o pai de Juan afirmou que havia pago o valor de 200 mil pesetas, uma enorme quantia na época, suficiente para comprar um apartamento. Antonio Barroso conta que seus pais pagaram o valor em prestações: “meus pais pagaram em parcelas ao longo de 10 anos, porque não tinha dinheiro suficiente”.


A partir da confissão do Pai de Juan Luis, alguns testes de DNA foram feitos e comprovaram que os pais de criação de Antonio não eram os pais biológicos. Uma freira de Zaragoza admitiu que Antonio havia sido vendido e o caso tornou-se famoso em toda a Espanha, fazendo com que centenas de mães que acreditavam que seus filhos haviam morrido durante o parto, cobrassem uma investigação do governo espanhol.


O documentário mostra ainda uma mãe que investigou o paradeiro de seu filho. Manoli Pagador levantou documentos e descobriu que seu filho, hoje com 40 anos, havia sido criado no Estado do Texas, nos Estados Unidos, e chama-se Randy Ryder. Em outros casos mostrados pelo documentário, algumas sepulturas foram abertas e descobriu-se que os ossos no túmulo pertenciam a animais ou a adultos. A Igreja Católica escolheu não se pronunciar sobre o caso.

Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão permitidos palavrões ou palavras ofensivas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...








Para receber todas as atualizações através do Facebook. Basta curtir nossa FanPage.